histórias da Genética no Brasil

Setembro 8, 2015 § 6 Comentários

Uma câmera amadora, um pano preto de fundo, super boa vontade por parte das maravilhosas figuras que procuramos retratar e muita paixão. Foi assim que sete biólogos procuraram unir as narrativas de cientistas que compuseram a primeira e a segunda geração de geneticistas brasileiros, todos personagens que foram testemunhas ou atores importantes da história da Genética no Brasil e cientistas influentes em suas linhas de pesquisa: Antonio Brito da Cunha, Bernardo Beiguelman, Crodowaldo Pavan, Darcy Fontoura de Almeida, Francisco J.S. Lara, Francisco Salzano, João Lúcio de Azevedo, João S. Morgante, Oswaldo Frota-Pessoa, Roland Vencovsky e Warwick Kerr.

As gravações têm vários problemas técnicos, que vocês logo vão perceber. Anos se passaram, nos envolvemos em outras atividades e sempre tentávamos encontrar alguém que pudesse nos ajudar com algumas pendências e nada. Não fazia sentido algum ter esse material tão rico engavetado. Certamente não é um primor técnico, mas é um documento valioso, especialmente num país que não costuma valorizar a cultura e a história.

Com pesar, acompanhamos ao longo desse período as notícias de óbito de alguns dos entrevistados. Sobre dois deles cheguei a escrever aqui no blog: a partida de Crodowaldo Pavan foi que primeiro me motivou a iniciar uma seção de divulgação do trabalho de cientistas fundamentais para o desenvolvimento da pesquisa científica no Brasil. Após a partida de Bernardo Beiguelman, fiz o último registro.

Recentemente, decidimos fechar o documentário como estava mesmo. Estamos muito felizes que enfim, quase 10 anos depois de tudo iniciado, vamos veicular isso. Está bem longe do que planejamos, do que gostaríamos que ficasse. Mas vai mesmo como um registro dessa história. Quem sabe anime outros com melhor conhecimento de linguagem audiovisual e mais condições técnicas de registrar histórias assim. Sabemos que hoje praticamente qualquer pessoa com um bom smartphone poderia captar melhor as imagens que o que conseguimos, meus alunos de ensino médio que o digam. Que os programas de edição de que dispõem resolvem melhor ruídos de fundo etc. Mas as histórias estão lá. E são lindas e importantes e divertidas – abafam os ruídos!

O vídeo está dividido em cinco capítulos temáticos: “Os fundadores” (9’50”), “Dreyfus” (8’25”), “Dobzhansky” (14’45”), “Genética Humana” (9’20”) e “Pavan” (8’20”). Aprecie e ajude-nos a divulgar importante esse material!

divulgação científica em dose dupla!

Setembro 8, 2015 § Deixe o seu comentário

O Congresso Brasileiro de Genética começou hoje em Águas de Lindóia, SP. Já é o sexagésimo primeiro encontro científico da Sociedade Brasileira de Genética (SBG). Anualmente, diversos pesquisadores “de peso”, brasileiros e estrangeiros, reunem-se e debatem os avanços científicos da área. O tema deste ano é “Pós-Genômica”, que deve enfatizar “as diferentes áreas, abordagens e ferramentas de pesquisa que surgiram com a genômica do final do século XX e as tendências para o futuro da Genética“.

A SBG se notabiliza também pelo apoio à divulgação científica de qualidade e ligada aos centros de produção científica, além da preocupação com o ensino de ciências. Um exemplo é a Genética na Escola, publicação semestral que se propõe a difundir experiências educativas na área de genética, sejam elas práticas inovadoras ou enfoques metodológicos, a proporcionar reflexões sobre conceitos de genética e a discutir os desdobramentos na tecnologia na qualidade de vida das populações e a divulgar materiais destinados ao trabalho em sala de aula.

Este ano, o Congresso começa com divulgação científica em sua abertura solene (mais sobre o processo de produção do documentário Histórias da Genética no Brasil no próximo post!):

sbg_2015

Na quinta-feira, haverá a já tradicional “Genética na Praça“, com exposição de trabalhos de divulgação científica e de ensino de ciências. E, no último dia, uma mesa-redonda todinha voltada pra divulgação científica, “Ações de popularização da Genética”, que apresentará “Do resultado da pesquisa para a população: um documentário sobre genética médica – por Lavínia Schüler-Faccini, UFRGS”, além de um belo projeto de divulgação mineiro, o  “Ciência para todos: genética nas ondas do rádio e nas viagens de ônibus – por Adlane Vilas-Boas, ICB/UFMG (informações aqui), e do “Semear Ciência: a circulação de ideias científicas pelos trens do metrô – por Rodrigo Venturoso Mendes da Silveira, CEGH-Cel da USP” (já contei um pouco sobre a primeira versão desse projeto neste post, que inclui entrevista com o Rodrigo, e escrevi este material de divulgação para a segunda versão do projeto atualmente em curso). Ao final da mesa, mais uma exibição do documentário “Histórias da Genética no Brasil“! (programação completa do congresso aqui)

Enfim , o Congresso Basileiro de Genética tem divulgação científica na abertura e entre as demais atividades. Se outros congressos científicos também dessem esse espaço para a divulgação científica, o que não poderíamos produzir!?! Uma vez palestrei no evento satélite do Congresso Brasileiro de Biossegurança – era quase uma estranha no ninho, uma palestra sobre divulgação científica da Biotecnologia no meio de palestras estritamente científicas. Mas funcionou super bem!

É preciso mais disso. Até o CNPq, enfim, começou a valorizar a divulgação científica ao ter editais específicos pra esse fim e espaço para registros no CV Lattes. Mais ainda está muito incipiente e muito do que pode ainda virar depende de posicionamento da própria comunidade científica. Os congressos, como o da SBG, são um ótimo espaço pra isso!

Termino a noite feliz, apesar de não ter podido acompanhar a apresentação do documentário ao vivo e a cores, pois a tecnologia está aí pra isso (aliás, nesse ponto a SBG falhou um pouquinho; afinal, um streamingzinho caía bem…) e dois amigos dos grupo de produtores, o Felipe e a Ana Elisa, lá estão e mandam notícias fresquinhas via Whatsapp dizendo que saiu tudo bem! Abaixo, o Felipe está com o Prof. João Stenghel Morgante, peça-chave no processo de produção do documentário e um dos geneticistas entrevistados, e a Ana Elisa está com a Prof. Eliana Dessen, também geneticista, editora da Genética na Escola e principal responsável por termos desengavetado o documentário. na-sbg_2015

ele se foi…

Agosto 30, 2015 § Deixe o seu comentário

Uma das minhas maiores fontes de inspiração…

Fantástico neurologista e escritor. Capaz, como poucos, de ressaltar a beleza da ciência. Publicou muitos inesquecíveis livros: das memórias de uma infância química a até mesmo uma inusitada paixão por samambaias. Sem falar nos maravilhosos relatos neurológicos que tanto lhe consagraram, como O homem que confundiu sua mulher com um chapéu e Um antropólogo em Marte.

Os dois textos (com vídeo) de hoje publicados no New York Times, jornal em que possuía uma coluna, revisam quem foi Oliver Sacks e suas belas contribuições de maneira muito melhor do que eu poderia tentar fazer por aqui: 1- Oliver Sacks Dies at 82. Neurologist and Author Explored the Brain’s Quirks 2- Oliver Sacks, Casting Light on the Interconnectedness of Life. Melhor ainda é o texto do próprio Sacks, nesse mesmo jornal, quando contou o que sentia sobre sua situação de câncer terminal.

Nos próximos dias provavelmente seremos bombardeados (tomara!) com textos e depoimentos e vídeos e tudo o mais com e sobre Oliver Sacks. Recomendo ver e ouvir tudo o que vier, duvido que não valha a pena. Mas lindo, lindo mesmo, e que dizem muito sobre essa incrível figura, são esses dois vídeos:

Rest in peace!

carona no vestido

Fevereiro 27, 2015 § Deixe o seu comentário

Achei a desculpa perfeita para tirar a poeira do blog: vou pegar carona no vestido de cor ambígua (se não sabe do que estou falando, veja aqui já com resultado da enquete sobre o que as pessoas enxergam). Não, esta não será mais uma tentativa de explicar o que acontece do ponto de vista da ciência. Já há ótimas (e complementares) explicações aqui, aqui e aqui. Se ficar com preguiça de ler os textos, a resposta curta é: quem enxerga é o cérebro, não os olhos. E isso pode causar alguma confusão… Este vídeo tem um ótimo resumo (outro um pouco mais detalhado aqui):

Mas a real dúvida é: por que isso virou uma febre na internet? Só achei uma boa reflexão a respeito, no blog do psiquiatra Daniel Barros. Tive a mesma dúvida que ele e concordo com tudo o que ele colocou. Mas para mim a dúvida ainda persiste. Por que esse caso específico “bombou”? Há tantas figuras de ilusão visual, como a usada no vídeo acima para comparador (que é o mesmo caso desta outra) ou as várias outras apontadas nos textos linkados acima. Por que o efeito de manada se manifestou com essa história do vestido? O que tinha de especial aí para um monte de gente resolver prestar atenção nisso com ênfase bem diferente do que prestaria (se prestasse) atenção nos outros casos similares, também divulgados na internet? Ou seja, o que explica um viral na internet, qual a lógica disso, se houver alguma? Psicólogos e publicitários, por favor nos esclareçam!

Atualização: mais ilusões visuais de um jeito muito divertido! Vamos viralizá-las!

natureza falante

Outubro 19, 2014 § Deixe o seu comentário

Kevin Spacey é a Floresta Tropical. Julia Roberts é a “Mãe Natureza”. Harrison Ford é o Oceano. Edward Norton é o Solo. Penélope Cruz é a Água. Robert Redford é a Floresta de Sequoias. Trata-se da série Nature is speaking da Conservation International (CI), que já tem mais dois vídeos em produção: “Recifes de Coral” e “Flores”.

Os vídeos são lindos e muito das mensagens também, como no vídeo da Floresta Tropical, em que ela desafia os humanos a produzirem ar (na verdade seria a parte respirável do ar, ou seja, o gás oxigênio) como ela. Acho apenas um pouco equivocada a abordagem de opor seres humanos e natureza. Seres humanos são parte da natureza, oras. Fundamental condenar o comportamento excessivamente predatório e destruidor que vem caracterizando a ação humana, mas me parece que enxergar isso dentro de uma teia, como de fato é, é mais educativo que fazer a separação. Gosto da ideia da CI, que vejo na campanha, de mostrar a natureza como maior que os humanos e não dar tanta ênfase na ideia de que os seres humanos precisam consertar a natureza, como muitas campanhas de conservação ambiental fazem. A mensagem de que a natureza está aí muito antes de nós e que continuará depois da extinção da espécie humana, com ou sem mudanças, é muito boa. Mas acho que um pouco da ideia se perde quando a oposição é feita. Embora o “Humanifesto” reconheça os seres humanos como parte da natureza, minha impressão é que todo o resto tem mais o enfoque de oposição…

De qualquer forma, vale muito a pena assistir e compartilhar esse belo trabalho. Abaixo, dois dos que mais gostei. A sequência completa pode ser vista aqui.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 93 outros seguidores

%d bloggers like this: