a blogosfera científica em debate

Janeiro 30, 2010 § 9 Comentários

Como disse, a Campus Party sediará um debate sobre blogs de ciência hoje às 10h30. Haverá transmissão ao vivo pela web (basta acessar o canal “blog”). Participaremos Isis Nóbile Diniz (jornalista e autora do blog Xis Xis), Reinaldo José Lopes (jornalista, autor do blog Chapéu, Chicote e Carbono-14 e coautor do blog Laboratório), Atila Iamarino (biólogo e autor do blog Rainha Vermelha) e eu, devidamente orquestrados por Carlos Hotta (biólogo e autor do blog Brontossauros em meu Jardim).

Sobre o que falaremos? O debate será guiado  pelas perguntas dos campuseiros nessa jornada de abordar “a consolidação do uso da blogosfera na divulgação científica”. Assim, se você pretende participar presencialmente do debate, realize seu desejo de perguntar tudo aquilo que sempre quis saber de um blogueiro de ciências. Também, é claro, são muito bem vindas perguntas depositadas na caixa de comentários de nossos blogs, espaço eterno de discussão.

Além das perguntas que moverão o debate, há algumas questões interessantes circulando pela própria blogosfera e que provavelmente abordaremos por lá. Resolvi fazer um pequeno resumo destas, até para atiçar os debatedores e os perguntadores.

O que é um blog e por que blogar?

Para a primeira parte da questão, recomendo um passeio pelos slides de Sílvio Mendes, da Associação Viver a Ciência. Para a segunda, resumo o que já disse em entrevista à Ciência Hoje, durante o II Encontro de Weblogs Científicos em Língua Portuguesa (EWCLiPo):

  • é uma ferramenta de muito fácil uso e há modelos prontos e gratuitos;
  • permite o estabelecimento de uma comunicação efetiva, rápida e com possibilidade de monitoramento “da audiência”;
  • possibilita a conexão do blogueiro a uma ampla rede de relacionamentos;
  • a linguagem dessa mídia aproxima leitor e blogueiro tanto pela sua informalidade, quanto pelo fato de o leitor ser também um ator dentro do blog via o espaço de comentários/debates (é claro que sempre tem gente que não sabe brincar e, por exemplo, comete a bobagem de fazer blog fechado para comentários…);
  • vídeos, fotos, enquetes, podcasts e muitos outros recursos podem ser usados na comunicação via blog além das palavras com ou sem links.

Eu blogo por três razões básicas: para comunicar o que sei e gosto, para me divertir e para fazer parte de uma comunidade com interesses afins.

Há diferença entre os blogs de ciência e blogs de outros temas?

Sim e não. Não porque um blog de ciência é, antes de tudo, um blog. Então está fundamentado na mesma linguagem, nos mesmos recursos de expressão. Sim porque “blog de ciência” é um termo amplo que abarca blogs científicos, blogs de jornalismo científico, blogs de ensino de ciências, blogs que falam sobre a ciência de todas essas formas (como este aqui) e até mesmo – infelizmente – blogs pseudocientíficos e “cienciacionalistas”. Assim, o perfil tanto de blogueiros quanto de leitores é muito amplo nesse canto da blogosfera. Isso é um pouco bom e um pouco ruim, mas aí já estou invadindo o espaço de outra pergunta.

Quais as vantagens e desvantagens da divulgação científica via blogs?

As vantagens são muitas, relacionadas justamente às características da mídia blog expressas acima. Como desvantagens só vejo duas. Uma reside no fato de que em países como o Brasil ainda é pequena a porcentagem de pessoas com acesso à internet. Mas isso não chega a ser uma desvantagem real, tanto porque a tendência é essa porcentagem crescer rápido, quanto porque os blogs não são e nunca deverão ser uma forma exclusiva de divulgação da ciência, por mais vantagens que apresentem.

Blogs de ciência são mais uma forma possível para falar de ciência. Uma boa forma possível de se falar sobre ciência, é fato. Mas apenas isso. Blogs de ciência não substituirão (e nem pretendem substituir) exposições em museus, documentários, jogos, aulas, artigos etc.

A outra desvantagem vem justamente da facilidade de uso da ferramenta. É mais ou menos assim: qualquer um pode escrever um blog, mas nem todos escrevem bem. Mais que isso, nem todos escrevem bem sobre ciência. E eu ainda acrescentaria um outro mais que isso: nem todos blogam bem sobre ciência (porque escrever sobre ciências em uma revista é uma coisa, em um blog é outra. Como abordei apressadamente acima, é uma outra mídia, que tem uma outra linguagem, uma outra dinâmica).

O resultado disso é que há – vamos falar claramente – um monte de lixo espalhado pela web. E aí, como separar o joio do trigo? (Fora usar o bom senso e o conhecimento prévio, claro) Falarei um pouco sobre isso logo abaixo, na reflexão sobre o futuro da blogosfera.

Podemos falar em blogosfera científica ou os blogs de ciência ainda são tocados por meia dúzia de gatos pingados?

A blogosfera científica já é grandinha e vem crescendo rapidamente. O ABC (Anel de Blogs Científicos em língua portuguesa) já conta com cerca de 250 blogs cadastrados, a maior parte deles do Brasil. Foi organizada até uma premiação em 2009.

O reflexo desse crescimento é que a blogosfera científica passou a ser notícia (como aqui) e até a Nature dedicou uma edição ao tema. A expansão da blogosfera científica também passou a ser assunto de trabalhos acadêmicos que visam compreender e caracterizar a dinâmica dessa comunidade. Um exemplo foi a apresentação de trabalho sobre a blogosfera científica brasileira no X Congresso Brasileiro de Jornalismo Científico [Referência: Dias, H. Blogs e tendências do jornalismo científico. In: Victor, C. e col. (Orgs). Jornalismo científico e desenvolvimento sustentável. São Paulo: All Print Editora, 2009, p. 179-205].

Outro sintoma dessa expansão está na própria Campus Party: no ano passado o debate sobre os blogs de ciência ficou restrito ao stand da Sesc TV  e TV Cultura presente no evento. Esse ano o debate subiu para o pódio do Campus Blog.

Qual o futuro da blogosfera científica?

Acho que é o da agregação e da validação.

Agregação porque vem sendo uma tendência natural da web. Com tanta informação circulando, está cada vez mais difícil de encontrá-la. Assim, ferramentas que agrupem por temas, por relevância ou por qualquer critério que seja, vêm ganhando cada vez mais espaço. Embora a web semântica já esteja se tornando uma realidade, o que deve facilitar muito a busca e caracterização de informações, acredito que o movimento de agregação só tende a crescer. No caso dos blogs de ciência, um exemplo é o portal Science Blogs Brasil (conheça um pouco dessa história aqui).

Validação porque não só está difícil encontrar informação na web, como é mais difícil ainda encontrar informação “que preste”. No caso dos blogs de ciência, há o grande problema da pseudociência infiltrada. Como validar? Essa é uma questão ainda em desenvolvimento. A própria agregação pode ser uma forma de validação. Outra é somar à agregação estratégias importadas de outras mídias, como a revisão por pares (um exemplo é o Research Blogging). Outra ainda é formar uma comunidade gestora que inclui a validação nas suas atribuições, como ocorre nas Wikis, sendo a Wikipedia o exemplo mais conhecido mundialmente.

E outra ainda é continuar somando agregação e validação, como já é uma realidade. Exemplos disso são eventos como o EWCLiPo e o Science Online, premiações, edições de antologias de melhores postagens de diversos blogs de ciências (como o The Open Laboratory) etc.

E como tudo na blogosfera são conexões…

… deixo o post por aqui, mas o debate prossegue. Na Campus Party, nos comentários que eu espero mediar abaixo e também nesses links que indico a seguir.

[e lembrando que os posts continuam nos comentários, a listinha abaixo foi pensada também pelos debates que carregam - experimente!]

About these ads

Tagged: , , , ,

§ 9 Responses to a blogosfera científica em debate

  • Oi Tati, ótimo texto. Você colocou muito bem um punhadinho de problemas que a blogosfera científica as vezes esquece que existem.

    No que diz respeito à validação do conteúdo que vemos por aí, concordo com você sobre os riscos de conteúdo de baixa qualidade ou desonesto, assim como também estou preocupado em discutir maneiras de minimizar o problema.

    Neste sentido, concordo que alguma ferramenta capaz de agregar o bom conteúdo fosse de grande ajuda. A questão é, que ferramenta seria esta? Agregadores de blogs, nomeadamente o Science Blogs (seja o brasileiro, seja o alemão, seja o americano), são, evidente, uma iniciativa louvável. Por outro lado, possuem sua própria economia no que diz respeito ao conteúdo que agregam.

    E não estou aqui fazendo julgamentos, eles tem completa razão em agirem desta maneira. A questão é que a blogosfera é muito maior que isso. O que nos leva ao segundo ponto, validação.

    Não acho que uma comunidade gestora, a exemplo da wikipedia, seja possível. Não sei até que ponto este modelo funciona na Wikipedia, basta ver os problemas que a versão lusófona vive apresentando. Em todo caso, a Wikipedia tem que zelar exclusivamente pelo conteúdo de seu site, enquanto que um modelo similar para os blogs de ciência teria que levar em consideração blogs hospedados em diferentes serviços, além de ficar atenta aos novos blogs.

    A não ser, claro, que considerarmos como comunidade gestora toda a blogosfera de ciência, o que também não me parece exatamente possível.

    Já a revisão pelos pares me parece interessante, mas não no modelo que nós cientistas estamos acostumados. Seria um processo feito à posteriori, ao decorrer do tempo. O problema que me vem é que divulgação científica é uma atividade “sem muito conceito”. Disto resulta que embora tenhamos uma idéia geral do que ela é, não acho que sejam raros os casos em que uma algum conteúdo é considerado DC para um grupo e para outro, não.

    Neste sentido acho que ainda temos muito trabalho pela frente. Acho mesmo que a DC está ainda em um estágio muito imaturo, muito informal. Acho até que estes problemas que eu, você e tantos outros levantaram existem justamente por consequencia desta imaturidade.

    O lado otimista disto tudo é que acredito de verdade que estamos trilhando “o bom caminho”. Apesar disso, temos ainda muito chão pra percorrer.

    Desculpe pelo longo e potencialmente enfadonho comentário.

    Abraços.

    • trnahas diz:

      Olá, Thiago,

      Muito obrigada pelo excelente comentário – longo, pode até ser, mas nada enfadonho!

      Essa questão da validação é realmente complicada. Simpatizo com a ideia de importar um tantinho do esquema de peer review para a blogosfera, mas não acho que seja uma solução total, afinal são dois meios diferentes, não dá pra usar as mesmas “fórmulas”.

      Ainda acho que, por enquanto, o que temos de melhor é mesmo essa estratégia de agregar os blogs. Claro que não devem ficar fechados em si, ou seja, auto citações sempre. Acho que o ideal seria apenas juntar em um mesmo portal blogs que, por uma razão ou por outra (formação do blogueiro, reconhecimento dos leitores etc), são bons blogs de ciência, mas os blogs deveriam seguir interagindo com toda a blogosfera e com personalidade própria, como tinham antes da agregação. Afinal, uma das “definições” primeiras de um blog é seu caráter pessoal…

      Enfim, concordo plenamente contigo que ainda temos muito trabalho pela frente. E gostei especialmente quando você disse que “a divulgação científica é uma atividade sem muito conceito”. Diagnóstico perfeito do porque de tantas questões ainda em aberto!

      De qualquer forma, o caminho é esse mesmo: refletir e debater com outros afins para que possamos encontrar melhores formas de praticar a divulgação científica na blogosfera. O EWCLiPo é um lugar muito bacana e propício pra isso. Espero que o desse ano seja tão proveitoso quanto foi o de 2009 e que possamos ambos esticar esse papo por lá. Além de nos blogs, é claro :)

      Abração!

  • [...] This post was mentioned on Twitter by Tatiana Nahas and Campus Party Brasil. Campus Party Brasil said: RT @ciencianamidia A blogosfera cientifica em debate: http://is.gd/7kCpV #CParty [...]

  • Adorei o “cienciacionalistas”… Posso pegar emprestado? ;)

    Inté!

  • Me identifiquei bastante com o comentário do Thiago. Gostei da temática, mas acho sinceramente que muita sistematização ou regra foge um pouco da liberdade e pessoalidade característica de um blog. Eu particularmente acho que se um blog está “linkado” na página de outro blog que eu considero cientificamente “válido”, já houve uma “seleção” (“amigo de amigo meu é…”). Na prática é assim que eu descubro novos e bons blogs científicos (como este, por exemplo). Eu realmente não gostaria que os “escritores” de blogs se preocupassem com “pares” revisando seus textos, mas que escrevessem livremente nos blogs e deixassem para se preocupar com “peer review “em seus artigos científicos indexados… mas vou ler algumas das referências que vc indica para aprender mais a respeito. Obrigada pela oportunidade da reflexão e pelas dicas de leitura.

    Sucesso com o blog e com a ciência,

    ana claudia

    • trnahas diz:

      Oi, Ana Claudia,

      obrigada pela visita!

      Concordo que escrever livremente no seu próprio blog é fundamental, senão perde todo o sentido da ferramenta.
      Mas digo do ponto de vista do leitor: como separar o joido do trigo na net? Também estou contigo nessa: usar nosso bom senso e nosso conhecimento pra identificar bons blogs é o melhor caminho – cada um ser uma espécie de editor e montar sua revista ou seu jornal de leitura a partir de um mosaico de blogs escolhidos via seu bom senso e gosto pessoal.

      Somando a isso, acho que a agregação de blogs em condomínios pode ser um indicativo para o leitor de que ali há conteúdo de determinada forma, ao mesmo tempo que continua garantida liberdade do blogueiro de seguir com seu blog. Mas de alguma forma identificado como diferente de outros. Ah, e só pra me explicar melhor: quando falei da revisão por pares, não estava pensando nos posts de cada blog serem revisados por pares, mas sim em algo na mesma linha do Research Blogging. Não sei se vc conhece essa iniciativa. É um site que reúne pesquisas revisadas por pares sobre os mais diversos temas da ciência e tecnologia. Funciona assim: um blogueiro de ciências publica em seu blog algum post que constitui uma peer review, cria uma citação para o site e o post aparece também lá. O blogueiro ganha um espaço de visibilidade para sua produção e os leitores têm a facilidade de encontrar num só local as publicações de pesquisas científicas comentadas por blogueiros especialistas no assunto. Mas a cara do post e tudo o mais quem dá é o blogueiro; afinal, é um post em seu blog. Se tiver curiosidade, dê uma olhadinha aqui: http://researchblogging.org/ (se no menu lateral da direita vc mudar a língua para português, verá quais de seus posts alguns blogueiros que escreveme nessa língua vêm linkando ao site).

      Obrigada pleo bom debate e parabéns pelo seu blog (que já havia conhecido há um tempo atrás por indicação da Maria Guimarães em um dee seus tuítes)!

Deixe um comentário ao post

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading a blogosfera científica em debate at ciência na mídia.

meta

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 71 outros seguidores

%d bloggers like this: